liberdade, conflito, luta, argivai, angola, mundo, universal
Terça-feira, 8 de Maio de 2007

Engenheiros contabilistas e justiceiros?


[Error: Irreparable invalid markup ('<table [...] cellpadding'0'>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<a href="http://bp3.blogger.com/_oKtiRbOY77c/RkDOQslnOGI/AAAAAAAAANI/zbCID2JjKHs/s1600-h/PIC00009.jpg"><img style="display:block; margin:0px auto 10px; text-align:center;cursor:pointer; cursor:hand;" src="http://bp3.blogger.com/_oKtiRbOY77c/RkDOQslnOGI/AAAAAAAAANI/zbCID2JjKHs/s320/PIC00009.jpg" border="0" alt=""id="BLOGGER_PHOTO_ID_5062272767406585954" /></a><br /><TABLE border='0' cellspacing='0' cellpadding'0'><TR><TD><a href='http://www.askthelawdoc.com'><img border='0' src='http://www.go27.com/counter/countme.php?count=http://www.geocities.com/pereiralex' alt='cerebral palsy attorneys'></a></TD></TR><TR><TD align=center><font size='xx-small'><a href='http://www.askthelawdoc.com'>cerebral palsy attorneys</a></font></TD></TR></TABLE><br /><br /><br /><br />TRIBUNAL DA PÓVOA DE VARZIM<br /><br />- Uma reforma pontual que nada resolve<br /><br /><br />No passado dia 24 de Abril, o Governo fez publicar no Diário da República uma resolução, na qual declara que vai fazer modificações na estrutura de Juízos dos Tribunais da Póvoa de Varzim e da Maia.<br />Trata-se apenas de copiar, nestas duas comarcas, aquilo que já foi feito há anos em Vila do Conde, ou seja, acabar com os 4 Juízos de competência genérica actualmente existentes no Tribunal da Póvoa e convertê-los em 3 Juízos de Competência Especializada Cível e 1 Juízo de Competência Especializada Criminal.<br />Esta resolução – diz o Conselho de Ministros – irá ser concretizada em diploma legal a publicar em 30 dias. Não se sabe ainda quando entrará em vigor.<br />Porém, podemos desde já afirmar que esta medida avulsa, qual gota de água no oceano das transformações que o Governo anunciou para a Justiça, não vai resolver nada.<br />Explicando, para que todos os cidadãos, mesmo os não familiarizados com estas matérias, possam entender o que se passa, comecemos por alguns dados numéricos.<br />O País está dividido em 231 comarcas, que na maior parte dos casos correspondem a concelhos. Em grande parte das comarcas existe um Tribunal, que decide da generalidade dos casos que os cidadãos lhe submetem (com excepção das questões que são da competência exclusiva dos Tribunais de Trabalho, de Comércio, de Direito Marítimo, Fiscais e Administrativos).<br />Na Póvoa existem 4 Juízos e em cada um deles existe um Juiz com competência genérica. Quando um processo entra em Tribunal, é distribuído aleatoriamente por um desses 4 Juízos. Ora, o que se pretende agora é colocar 1 Juízo só a decidir as questões criminais e os outros 3 Juízos a tratar indistintamente de todas as outras questões.<br />Ora, segundo dados dum estudo recente da Faculdade de Engenharia de Coimbra, no ano de 2001 entraram no Tribunal da Póvoa 1880 processos de natureza civil, enquanto em 2005 entraram 3420, significando isso um crescimento de 81,9% em apenas 4 anos! Por outro lado, no que respeita aos processos de índole criminal, verificou-se um pequeno decréscimo de entradas, de 836 em 2001 para apenas 735 em 2005, ou seja, de 12,1%.<br />Comparando os dados da vizinha Vila do Conde do ano de 2005 (3087 processo cíveis e 816 processos crime entrados), verificamos que são semelhantes aos da nossa comarca.<br />Por isso, se a resolução do Governo vier a ser implementada, é fácil antever que vai acontecer aqui o que aconteceu lá, quando foi feita em Vila do Conde a mudança que agora se quer fazer na Maia e na Póvoa de Varzim.<br />E o que aconteceu lá foi que o Juízo Criminal se mostrou claramente insuficiente para despachar os processos, embora os Juízos de natureza civil ficassem mais desafogados. E, para resolver esse problema, foi necessário recorrer a mais Juízes, auxiliares do Juiz titular.<br />Aqui chegados, facilmente o leitor compreende que, numa medida pontual – como esta confessadamente é… – mais importante do que o número de Juízos é saber qual o número de Magistrados que vão ser afectados a esta comarca (e já agora de funcionários judiciais, também), designadamente de Juízes auxiliares. E isso a resolução do Governo, obviamente, não nos desvenda…<br />É evidente que a especialização é benéfica a todos os níveis, mas o que não se percebe é porquê só esta medida pontual, quando se impunha fazer o mesmo (pelo menos) no tocante ao Direito de Família e Menores e quando o Tribunal de Trabalho, há tantos anos criado, nunca foi instalado na nossa terra, continuando os poveiros a terem de se deslocar a Barcelos para assuntos laborais.<br />Trata-se assim duma medida que nasce anunciada como pontual, e para vigorar por curto período de tempo. Isto numa altura em que se antevê a concretização para breve do falado Projecto do Governo para a Justiça.<br />E a propósito do projecto do Governo para o novo mapa judiciário (de que se começará a ouvir falar em breve, mais cedo do que se pensa) importa deixar aqui um aviso muito sério aos nossos autarcas e às forças vivas da comunidade, relativamente ao que vai suceder a breve trecho no que respeita à Justiça na nossa zona.<br />Tal como na Saúde, a concentração vai ser a regra. <br />Segundo os mais recentes estudos, encomendados pela Governo com vista à alteração do mapa judiciário, Póvoa de Varzim e Vila do Conde vão ser integradas na denominada «NUT III do Grande Porto», que engloba ainda as comarcas de Maia, Matosinhos e Valongo.<br />E o centro dessa NUT, é bom de ver, está na Maia, o que implicará para os nossos conterrâneos terem de se deslocar, com os seus advogados e as suas testemunhas para Matosinhos ou para a Maia, sempre que quiserem decidir uma questão tão vulgar como um divórcio, uma regulação do poder paternal sobre menores, um crime, um problema comercial ou fazer uma cobrança coerciva, por exemplo.<br />Aqui fica o aviso a quem tem o poder de influenciar as decisões sobre esta matéria, com a promessa de voltar ao tema em breve, quando houver mais novidades.<div class="blogger-post-footer">Artigo 12.º
Reconhecimento do direito de autor
O direito de autor é reconhecido independentemente de
registo, depósito ou qualquer outra formalidade.</div>
publicado por ANTITUDO às 19:21
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. Engenheiros contabilistas...

.arquivos

. Fevereiro 2015

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds